A Oração Que Toca o Coração de Deus – Robertt Marques

Publicado por Comentários

Oração-Que-Toca-O-Coração-De-Deus

I. ORAÇÃO

A. Jesus foi um grande exemplo de oração. Para confirmar isso, o escritor de Hebreus diz: O qual, nos dias da sua carne, tendo oferecido, com grande clamor e lágrimas, orações e súplicas ao que o podia livrar da morte, e tendo sido ouvido por causa da sua piedade. Hb 5:7

B. Só no último dia de vida, Jesus orou três vezes: no Cenáculo, no Getsemani e no Calvário. Na sala ampla e mobiliada, ele orou pelos discípulos e por aqueles que crerão nele: Minha oração não é apenas por eles. Rogo também por aqueles que crerão em mim, por meio da mensagem deles; Para que todos sejam um, Pai, como tu está em mim e eu em ti. Que eles também estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. (Jo 17:20-21)

C. No Getsemani, Jesus orou por ele mesmo: Indo um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto em terra e orou: “Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres”. (Mat 26:39)

D. Na cruz, das sete palavras ali proferidas, três foram orações: a primeira, em favor daqueles que o crucificavam: Pai perdoa-lhes, pois não sabem o que fazem. (Lc 23:34). As outras duas, em favor dele mesmo: Por volta da hora nona exclamou Jesus em alta voz: Eli, Eli, lamá sabactâni, que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me abandonaste? (Mt 27:46)

E. Além das orações feitas na cruz, o Evangelho de Lucas menciona a vida de oração de Jesus em cinco passagens:
Lc 5:16 Mas Jesus retirava-se para lugares solitários e orava.
Lc 6:12 Num daqueles dias, Jesus saiu para o monte a fim de orar, e passou a noite orando a Deus.
Lc 9:18 Certa vez Jesus estava orando em particular, e com ele estavam os seus discípulos.
Lc 9:28 Aproximadamente oito dias depois de dizer essas coisas, Jesus tomou consigo a Pedro, João e Tiago e subiu a um monte para orar.
Lc 11:1 Certo dia Jesus estava orando em um determinado lugar.

F. Uma coisa é certa: as orações do Senhor não eram rotineiras e cheias de vãs repetições. Influenciado pela vida de oração de Jesus, um dos discípulos lhe disse: Senhor, ensina-nos a orar, como João ensinou os discípulos dele”. (Lc 11:1)


II. JESUS ORA ANTES DE INICIAR SEU MINISTÉRIO

A. Imediatamente após o batismo e antes de iniciar o ministério, Jesus passa quarenta dias em jejum e oração no deserto. Depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome. (Mt 4:2)

B. Lucas acrescenta que o Senhor estava cheio do Espírito.
Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto, onde durante quarenta dias, foi tentado pelo Diabo. Não comeu nada durante esses dias e, ao fim deles, teve fome. (Lc 4:1-2)


III. JESUS ORA ANTES DE ESCOLHER OS DOZE APÓSTOLOS

A. Determinado a escolher dozes homens que passariam a experimentar o poder sobrenatural de Deus lado a lado, mais próximo, Jesus passou um tempo dedicado em oração antes de tomar uma decisão: Num daqueles dias, Jesus saiu para o monte a fim de orar, e passou a noite orando a Deus. (Lc 6:12)


IV. JESUS ORA ANTES DA CRUZ

A. Jesus chega ao Getsemani. Leva Pedro, Tiago e João com ele. Jesus sente tristeza e angústia e diz: A minha alma está profundamente triste, numa tristeza mortal. (Mt 26:38). O momento de maior provação e dificuldade de Jesus. A bíblia chega ao ponto de testemunhar que: Em agonia, orava mais intensamente. O seu suor tornou em grandes gotas de sangue que caíam no chão”. (Lc 22:44

B. Jesus fez a oração mais obediente e submissa que se tem notícia: Ele se afastou deles a uma pequena distância, ajoelhou-se e começou a orar; se queres, afasta de mim este cálice; contudo, não seja feita minha vontade, mas a tua”. (Lc 22:41-42)

——————————————————————————————————————————-

V. A TENTAÇÃO É VENCIDA PELA ORAÇÃO

A. Jesus veio para cumprir as profecias e dar sua vida por amor de muitos: Deus tanto amou o mundo que deu seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça mais tenha a vida eterna”. (Jo 3:16)

B.  Antes de o pecado ser consumido, somos tentados a pecar. Jesus também nos ensina “não nos deixe cair em tentação” (Mt 6:13)
Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca. (Mt 26:41)


VI. UNÇÃO DO ESPÍRITO E PODER DO ESPÍRITO

A. A diferença entre a unção e poder está Mateus 17 logo após A Transfiguração:
Quando chegaram onde estava à multidão, um homem aproximou-se de Jesus, ajoelhou-se diante dele e disse: ”Senhor, tem misericórdia do meu filho. Muitas vezes cai no fogo ou na água. Eu o trouxe aos teus discípulos, mas eles não puderam curá-lo”. Respondeu Jesus: “Ó geração incrédula e perversa, até quando estarei com vocês? Até quando terei que suportá-los? Tragam-me o menino”. Jesus repreendeu o demônio; este saiu do menino que, daquele momento em diante, ficou curado. Então os discípulos aproximaram-se de Jesus em particular e perguntaram: “Por que não conseguimos expulsá-lo?” Ele respondeu: “Porque a fé que vocês têm é pequena. Eu lhes asseguro que se vocês tiverem fé como um grão de mostarda, poderão dizer a este monte: Vá daqui para lá, e ele irá. Nada lhes será impossível. Mas esta espécie só sai pela oração e pelo jejum”. (Mt 17:14-21)

B. Jesus já havia dado antes autoridade (unção) aos discípulos para trazer Seu Reino em Mateus 10. Curem os enfermos, ressuscitem os mortos, purifiquem os leprosos, expulsem os demônios. Vocês receberam de graça; dêem também de graça. (Mt 10:8)

C. Por que antes deu certo e depois fracassaram? O espírito maligno se recusou a obedecer à autoridade deles quando as coisas ficaram mais difíceis. Oraram, mas foram completamente derrotados porque não tinham o poder para vencer o demônio que controlava vida do menino. Algo impedia a cura. Apóstolo Paulo nos ensina com quais armas vencemos o poder maligno: Pois, embora vivamos como homens, não lutamos segundo os padrões humanos. As armas com as quais lutamos não são humanas; ao contrário, são poderosas em Deus para destruir fortalezas. Destruímos argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levamos cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo. E estaremos prontos para punir todo ato de desobediência, uma vez estando completa a obediência de vocês. IICo 10:3-5

D. O diabo nos faz acreditar que nossa luta é carnal e não no espírito. Faz também a Igreja acreditar que ele ainda não foi derrotado por Jesus há mais de 2 mil anos. Não adoramos Deus na carne, mas pelo espírito.


VII. ORAÇÃO EM ESPÍRITO

A. Um grande ensinamento do Senhor Jesus sobre como podemos entrar na presença do Pai. Não existe localização física para adorá-lo. Não é pela carne, mas pelo espírito. Como Deus é Espírito, nossa adoração tem que ocorrer no reino espiritual. Jesus declarou: “Creia em mim, mulher: está próxima a hora em que vocês não adorarão o Pai nem neste monte, nem em Jerusalém. Vocês, samaritanos, adoram o que não conhecem; nós adoramos o que conhecemos, pois a salvação vem dos judeus. No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura. Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade”. (Jo 4:21-24)

B. O Senhor também disse: “Mas quando o Espírito da verdade vier, ele os guiará a toda verdade” (Jo 16:13). Em 1João 5:6 lemos “O Espírito é quem dá testemunho, porque o Espírito é a verdade”. Isso nos mostra que Deus é Espírito, e tudo relacionado a Deus tem de ser em espírito. Espírito da verdade é o Espírito da realidade. Assim, a realidade espiritual deve estar no Espírito Santo.


VIII. ONDE ERRAMOS NA ORAÇÃO

A. Tiago exorta no capítulo 4 os judeus convertidos quando diz que esses cristãos eram ambiciosos. “Queriam muitas coisas”, esforçavam-se para obtê-las a qualquer custo, até para matar estavam dispostos. Continuavam sem nada, pois não oravam. E quando oravam, a situação não mudava, porque o que pediam eram para satisfazê-los. Oravam para obter coisas para gastar com eles mesmos, e não com os valores do Reino de Deus.


IX. ATOS DOS APÓSTOLOS

A. Tempos depois, no livro dos Atos dos Apóstolos, os discípulos exercitaram o ensinamento da oração e jejum em prática através do Espírito Santo. Lemos sobre o derramamento do Espírito Santo, além de muitas curas, conversões, libertações, batismos, igrejas sendo levantadas. E, muitos discípulos missionários levando a palavra de Deus com poder a outras nações. Jesus já o escolheu e orou para continuar sua obra antes mesmo que você existisse.


Oferte

    DOWNLOAD